Pesquisar neste blog

domingo, 26 de junho de 2011

Projeto Caminhos do Rio abre inscrição para professores do ensino fundamental.

Alana Gandra / Repórter da Agência Brasil / Rio de Janeiro - Os professores do ensino fundamental que queiram levar a arte para dentro das salas de aula podem, a partir de hoje (24), se inscrever no projeto Caminhos do Rio: Origem da Cidade do Rio de Janeiro. O projeto existe desde 1990 com o apoio do Programa Nacional de Apoio à Cultura (Pronac), do Ministério da Cultura. A partir deste ano, com a presença da Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro, ele passa a incluir estudantes da rede pública de ensino.
A idealizadora e coordenadora do projeto é a arquiteta e mestre em conservação e restauro Renata Pereira. Aprovado pela Lei Rouanet de Incentivo à Cultura, o projeto consiste em capacitar professores para que eles façam um passeio com seus alunos pela Praça XV, a mais antiga da capital fluminense, considerada o coração do Rio de Janeiro colonial, onde os monumentos históricos constituem um museu a céu aberto.
“É uma lição de história, arquitetura, arte”, disse Renata Pereira. “O bacana do projeto é que ele se insere no conteúdo do ensino fundamental, que vai da 3ª série à 7ª série”, completou.
De acordo com a coordenadora, os professores inscritos participam de um encontro prévio com os organizadores do projeto, quando recebem orientações e os cadernos de atividades do projeto. Depois, na condição de multiplicadores, eles repassam os cadernos para que as crianças possam interagir, fazendo a análise dos monumentos históricos, do espaço urbano, e aprendam durante um passeio cultural sobre a história, a arquitetura e a arte do país. As atividades continuam depois, em sala de aula.
Renata Pereira destacou que o objetivo do projeto é formar professores para os passeios culturais sobre a cidade do Rio de Janeiro, de modo que eles possam “sensibilizar a criança, para ela se apropriar do espaço da cidade, desenvolver a cidadania”.
Ela acrescentou que, “se a gente consegue que essas crianças valorizem o espaço urbano, principalmente o patrimônio histórico, que é o primeiro elo cultural, ela passa a defender e preservar a cidade”. O projeto tem como meta a apropriação da cidade pelo professor e pelos estudantes, disse.
O primeiro encontro com os professores para apresentação do projeto Caminhos do Rio está marcado para o dia 9 de julho próximo. Até o fim do ano, serão 12 encontros, todos nos sábados pela manhã. Após as reuniões preparatórias, os professores poderão agendar os passeios culturais com suas turmas. Renata Pereira estima que os primeiros passeios ocorrerão entre a primeira e a segunda semana de agosto.
Os professores interessados podem se inscrever gratuitamente pelo site www.caminhosdorio.com

Fonte: Observatório Comunitário

segunda-feira, 20 de junho de 2011

ATÉ HOJE!!! EMERJ - ISENÇÃO E BOLSA NA ESCOLA DE MAGISTRATURA DO RIO DE JANEIRO

Interessados em se candidatar ao processo da EMERJ, presença no dia 20/06 as 20:30 (último dia para entrega dos documentos). local: Buenos Aires, 167 Centro -RJ

DOCUMENTOS:

Advogados


1.2 - No ato da inscrição, o candidato deverá apresentar:
a) formulário preenchido e assinado;
b) cópia autenticada de inscrição definitiva ou provisória na Ordem dos Advogados do Brasil, ou certificado
provisório de colação.
d) 2 (duas) fotografias recentes, tamanho 3 cm x 4 cm, com o nome completo do candidato no verso.

GRADUADOS / ESTUDANTES:

1.2 - No ato da inscrição, o candidato deverá apresentar:

a) formulário preenchido e assinado;

b) cópia autenticada do diploma de bacharel em Direito registrado ou prova de
inscrição definitiva ou provisória na Ordem dos Advogados do Brasil, ou certificado
provisório de colação de grau devidamente autenticado, ou declaração de matrícula
no último período do Curso de Bacharel em Direito;

c) cópia autenticada de documento oficial de identidade e do CPF;

d) 2 (duas) fotografias recentes, tamanho 3 cm x 4 cm, com o nome completo do
candidato no verso.

quinta-feira, 9 de junho de 2011

I Seminário do FÓRUM PERMANENTE DE EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE ETNICO-RACIAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

I Seminário do FÓRUM PERMANENTE DE EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE ETNICO-RACIAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - Plano Nacional de Implementação das Diretrizes Curriculares Nacionais para Reeducação das Relações Étnicorraciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana

Programação

9:00h. – Credenciamento

9:00h. às 9:50h. - Mesa de Abertura

Painel 1 – Institucional

- MEC – Ministério da Educação / - SECADI-Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão.

- SEEDUC-RJ – Secretaria de Estado e Educação

- CEDINE – Conselho Estadual dos Direitos do Negro

- UNDIME - União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação

- UNESCO - Sra. Marilza Regattieri - Oficial de Educação na temática da Educação das Relações Étnico-raciais e do Ensino da História e Cultura Afro-brasileira e Africana

- UNICEF - Fundo das Nações Unidas para a Infância - Jacques Schwarzstein

- Fundação Cultural Palmares

- Fórum Rio Diversidade – Profª: Marize Conceição

9:50h. às 10:00h. – Apresentação vídeo UNICEF “ Por uma infância sem racismo”.

10:00h. às 11:00h.

Painel 2 – Institucionalidade e Identidade dos Fóruns de Educação Étnico-Raciais

- MEC – Ministério da Educação - SECADI-Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão –

- Conselho Estadual de Educação

- SUPIR – Superintendência De Igualdade Racial

- SEEDUC-RJ – Secretaria de Estado e Educação

- UNDIME - União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação

Neab – Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros

Organização não governamental – CEAP – Éle Semog

Mediador(a): Fórum Rio Diversidade – Jana Guinond

11:30h. às 12:00h. - Apresentação Cultural – dança cigana, Grupo Lua Estrela

12:00h às 13h30h – Intervalo

13:30h. às 13:50h. – Apresentação Cultural – dança do Toré, Movimento Tamoio

14:00h. às 14:30h.

Painel 3 - Lançamento do “Plano Nacional de Implementação das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico Raciais e para o Ensino da História e Cultura Afro-brasileira e Africana”.

- MEC – Ministério da Educação / - SECADI-Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão.

- PENESB/UFF - Profª Dr.Iolanda de Oliveira

- AQUILERJ – Luis Sacopã

- Comunidade Indígena

Mediador - Fórum Rio Diversidade – Sheikh Ahmad

15:05h. às 15:50h.

Painel 4 – Relatos de Experiências de Trabalho com as Leis 10.639/03 e 11.645/08.

- Profª Mônica Custódio (Belford Roxo)

- Profª Rosália Lemos (IFRJ)

- Profª Darleia Cristina (Nova Iguaçu)

- Profª Marize de Oliveira- Tamikuan Ará (Movimento Tamoio dos Povos Originários)

- Mediadora - Fórum Rio Diversidade – Profª Selma Maria

16:10h. às 17:00h.

Painel 5 – Resistências à implementação das Leis 10.639/03 e 11.645/08

- Ministério Público Estadual

- Dr Humberto Adami

- Profª Dra Azoilda Loretto da Trindade

- Mediador - Fórum Rio Diversidade – Conceição D’Lissá

17:30h às 17:40h – Informações sobre o Fórum Rio Diversidade – Ilka Maria

17:40h às 18:00h. – Encerramento e certificação.

Apresentação de capoeira,roda de samba e coquetel.

Data: 15/06/2011 das 09h às 18h

Local: Ministério da Cultura

Rua da Imprensa, 16 Centro Rio de Janeiro – RJ.

Edifício Gustavo Capanema – Auditório Gilberto Freyre

Email.: forumetnicoracialrj@gmail.com



terça-feira, 7 de junho de 2011

Delegados do Rio participam de curso para aprender a lidar com crimes de Intolerância Religiosa.

Delegados de Polícia Civil de todo o estado do Rio de Janeiro participaram,
no dia 31 de maio, de um seminário de capacitação, com o objetivo de
ensiná-los a lidar com a intolerância religiosa. O curso foi uma ideia da
própria Polícia Civil e da organização não governamental Comissão
de Combate à Intolerância Religiosa do Rio.


Segundo a chefe da Polícia Civil, delegada Martha Rocha, a instituição
conta com um núcleo de combate à intolerância religiosa, mas o objetivo
do seminário é conscientizar todos os delegados fluminenses sobre a
importância de se aplicar a Lei 7.716 de 1989 (Lei Caó), que prevê pena
de até três anos de prisão para aqueles que cometam crimes contra a
religião de outras pessoas.

“A verdade é que hoje estamos estendendo a toda a Polícia Civil, de todo
o estado, essa qualificação, para que em todos os lugares do Rio um
policial civil seja capaz de identificar um fato que tenha o viés da
intolerância religiosa”, disse Martha Rocha.

Segundo Ivanir dos Santos, representante da Comissão de Combate
à Intolerância Religiosa, os crimes contra a religião têm aumentado
nos últimos anos no Brasil e também, especificamente, no Rio de Janeiro.

“Muitos delegados ainda não sabem como lidar com esse crime. Muitos
o minimizam. Alguns, por sua própria convicção religiosa, acabam
não aceitando o crime. Mas o Estado é laico e a polícia é a mantenedora
do Estado Democrático de Direito. A polícia pode contribuir para que esse
tipo de atitude não crie um desequilíbrio na sociedade”, disse Ivanir dos Santos.

Os policiais assistiram a vídeos e palestras e receberam uma cartilha
que ensina como os delegados devem lidar com a intolerância religiosa.
Fonte: Agência Brasil, em 31/05/2011.

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Feijoada Imperdível!!! No Bola Preta com Batuke de Ciata


Olá amigos! Amanhã no Cordão da Bola PretaPatrimônio Cultural Carioca e o maior do UNIVERSO, estamos esperando todos para uma tarde cheia de Samba de Raiz com Batuke de Ciata, e aproveitaremos para festeja o 70° Aniversário de Tia Nanci, a Vice-Presidente da ORTC (Viúva do ritmista Bucy Moreira) com muita alegria e diversão na FEIJOADA DO BOLA.
Conto com a presença de todos.

Sheila Gama assina decreto que identifica terras quilombolas.

A prefeita de Nova Iguaçu, Sheila Gama, assinou, na quarta-feira (25/05), na Casa de Cultura Sylvio Monteiro, o decreto 9.025, que institui o Programa de Identificação, Demarcação e Titulação Fundiária de Terras Ocupadas por Remanescentes de Quilombos. O decreto cria ainda o Grupo Quilombar, que ficará responsável pela implementação, acompanhamento, avaliação e registros das ações a serem desenvolvidas em relação ao resgate e preservação da história, memória e cultura do povo negro e população remanescente da cidade de Nova Iguaçu. Em todo o Brasil, a previsão é que existam cerca de duas mil comunidades quilombolas. Já no Estado do Rio de Janeiro há 38 quilombos reconhecidos.

Em seu discurso, Sheila Gama ressaltou que assinatura do decreto é um momento histórico. A prefeita enfatizou que em pleno século XXI não é admissível tolerar o preconceito. "Todos precisam viver com dignidade, Há mais de 20 anos luto pela inclusão dos deficientes físicos, mas a causa negra também é minha e do meu partido, o PDT", concluiu Sheila Gama, que ganhou e vestiu uma camisa do Grupo Quilombar.

O procurador-geral do município, Augusto Werneck, salientou que o decreto é apenas o primeiro passo para regularizar as terras dos quilombolas (descendentes de escravos negros cujos antepassados no período da escravidão fugiram dos engenhos de cana-de-açúcar, fazendas e pequenas propriedades onde executavam diversos trabalhos braçais para formar pequenos vilarejos chamados de quilombos), "Tenho certeza que vamos encontrar muitos quilombolas em diversas partes da cidade, pois Nova Iguaçu é o berço dos quilombolas", resumiu, destacando que o Programa conta com a parceria da Secretaria de Administração, Secretaria de Cultura e Turismo, do Educafro (Educação e Cidadania de Afrodescendentes e Carentes) e de diversas entidades.

Para o presidente do Educafro, Frei David dos Santos, o decreto vai resgatar os quilombolas e suas terras.. "Nova Iguaçu tem forte identidade com os negros, e o quilombola não pode ter vergonha de suas origens", avaliou.

De acordo com a vice-presidente da Associação das Comunidades Quilombolas do Estado do Rio de Janeiro, Ivone Mattos Bernardo, há 34 quilombos identificados e 21 reconhecidos em todo o Estado. Ela destacou que o decreto assinado pela prefeita Sheila Gama é fundamental para o resgate da cidadania dos quilombolas. "Se todos os municípios do Estado do Rio (92 no total) tivessem um decreto como esse, certamente encontraríamos muitos quilombolas", arrematou.

O fato de Nova Iguaçu ter seu primeiro museu negro também foi lembrado pela coordenadora de Políticas Públicas de Promoção da Igualdade Racial, Dayse Marcello. Ela elogiou o decreto da prefeita e falou sobre o resgate da autoestima. "Ser descendente de escravos é uma história bonita que precisa ser preservada. O quilombola não pode ter vergonha de sua origem", finalizou.

Participaram do evento a secretária de Cultura e Turimo, Silvia Regina; o reitor da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Álvaro Pereira; a presidente do centro de Integração Social Inzo Ian Zambi, Arlene de Katendê; Maria Patrícia.