Pesquisar neste blog

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

BUCY MOREIRA e ZE KETTI são os homenageados no Bloco Carnavalesco Atrás da Máscara negra: Os Foliões do Engenho

O Bloco Carnavalesco Atrás da Máscara negra: Os Foliões do Engenho homenageia Bucy Moreira e Ze Ketti, com realização do Movimento Culturas Já Engenho da Rainha com apoio cultural de Macarrão Eventos, fazendo Tributo, preservação e difusão/divulgação da memória de Músicos, Cantores e Compositores como: Bucy Moreira, Zé Ketti, Darcy da Mangueira, , Maestro Pixinguinha, Maestro Negre Naegelli, Maestro Providência, Maestro Guio de Moraes, Mestre Marçal, Abel Ferreira, Raimundo Olavo, Heitor dos Prazeres, Arno Canegal, dentre muitos outros.O Movimento Culturas Já, tem como objetivo revitalizar a identidade cultural da região e recuperar a cidadania e auto-estima da população local, através da vida e obra grandes artistas, moradores dos bairros Engenho da Rainha e Inhaúma;

e ainda com a proposta de utilizar essa rica história local como “ arma ” - instrumento de transformação e inclusão social; para reverter o atual quadro de carência sócio-cultural,conta com o apoio da atual Presidente Geisa Ketti e diretoria Onesio Meirelles,Nanci Moreira, Maestro Sildineir, Sandra Mara, Zé Carlos de Jesus, Vanda Ventapane, Glória Madeira, , Luizinho Lula, Zé Cupim, Rosiana M. de Carvalho, Viviane Martins, Paula Patrícia Torres, Yago Carvalho, Nilson Alves, Jorge Ferreira, Sandra Corrêa, Dalva Beltrão, Maria da Graça, Carlos Chaves.

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Feijoada do Bloco do Clube do Samba homenageia Vó Maria

Feijoada do Bloco do Clube do SambaO Clube do Samba realiza sua tradicional feijoada de Carnaval neste sábado (19) no Lapa 40º. Vó Maria será homenageada e fará uma apresentação - curtinha, pois a querida Vó está prestes a fazer 100 anos. A roda de samba é comandada pelo grupo Samba Urbano e estarão à venda as camisetas da agremiação, criadas pelo cartunista Ziraldo.


Local: Avenida Atlântica, esquina com a Rua Santa Clara.
Horário: concentração às 15h e desfile às 17h

Serviço da feijoada:

Data: 19 de fevereiro
Local: Lapa 40º graus
Endereço: Rua Riachuelo, 97 – Lapa
Horário: 13 às 18h
Valor: R$ 30,00
Ingressos pelo e-mail contato@clubedosambaoficial.com.br ou pelo telefone 21- 3181-7598 – Juliana Nogueira
Pontos de venda:
Zona Sul/Centro: Cris Sampaio – 21-7235-5971
Barra (Cittá América, lj 209 – Setor Azul): Afonso – 21-7722-9565
OBS: a compra do convite antecipado não dá direito a reserva de mesa.

Mais sobre o Clube e a Vó:
"Fundado há 32 anos pelo saudoso cantor João Nogueira, o Clube do Samba fez história na luta contra a invasão da música estrangeira nas rádios e difundiu o gênero no país. VÓ MARIA a época de pendurar os sapatos brancos de sambista ela estava apenas começando. Foi aos 92 anos que Maria das Dores Santos gravou seu primeiro Cd, Maxixe não é samba, com a participação de nomes como Nelson Sargento, Martinho da Vila, Beth Carvalho e João de Aquino. Frequentadora do Bloco do Clube do Samba desde a fundação, em maio de 79, a sambista nunca faltou a um desfile. Conhecida como Vó Maria, ela sempre aparecia em cima de carros, relembrando os carnavais do seu tempo de menina. Após ficar viúva de dois maridos, se casou com Donga, bamba com quem ela protagonizou memoráveis rodas de samba em sua casa.A três meses de completar 100 anos, a senhorinha, mesmo com idade avançada, ainda tem pique para protagonizar shows ao lado de cantoras bem mais novas como Mart’nália e Tânia Medeiros. Este ano, recebe do Clube do Samba a homenagem pelo seu centenário".

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

A fertilidade das cinzas

O DIA ONLINE - ir para a capa opinião Célia Domingues

Rio - A capacidade de superar obstáculos e de renascer está tão enraizada na alma do sambista como a própria beleza de sua arte. Assim como os poetas do samba transformam tristeza em canções do mais puro encantamento, os trabalhadores e artistas que desfilam sua arte na Marquês de Sapucaí, sempre que demandados pelas catástrofes da vida, fazem emergir uma energia de transformação que recria conceitos e fortalece ainda mais o maior espetáculo da Terra. Os olhos do mundo se voltaram para a Cidade do Samba na última segunda-feira, certamente inundados de lágrimas, com o inacreditável incêndio que destruiu fantasias e alegorias de três escolas de samba Grande Rio, Portela e União da Ilha — e do Barracão Cultural, onde funcionam os projetos sociais que formam artesãos para os bastidores desta grande festa popular. As labaredas espalharam pelo céu da Cidade Maravilhosa mais do que uma densa fumaça. Espalharam a mensagem de destruição, não apenas de alegorias, fantasias e adereços, mas também de sonhos e anseios contidos, sim, nos projetos carnavalescos, mas também nos projetos de vida de milhares de artistas anônimos.

Nos bastidores da folia, milhares de cariocas, brasileiros, encontram trabalho que os resgatam das margens da sociedade e lançam sobre eles os holofotes da oportunidade e da autoestima. O Carnaval vai muito além da Passarela do Samba. Ao longo de todo o ano, carnavalescos e compositores constroem a parte mais visível do espetáculo.

Ao mesmo tempo, um batalhão de anônimos trabalhadores costura tecido por tecido, cola pedrinha por pedrinha, esculpe e pinta cada detalhe de fantasia que brilhará na Sapucaí, dando vida à criação desses artistas. Os projetos sociais da Cidade do Samba, centralizados no quarto andar do barracão número 1, só em 2010 formaram 4.500 trabalhadores em todo o Estado do Rio de Janeiro, em ofícios dos bastidores da folia. Naquele quarto andar — que será demolido, assim como ocorrerá nos barracões das escolas atingidas — surgiram sonhos e esperanças e vimos muitas vidas reencontrarem novos rumos a partir do samba e do Carnaval. Impossível não lembrar do mito grego da Fênix, que ao morrer é consumida pelo fogo, para renascer das cinzas. “Desde que o samba é samba é assim”, desde Tia Ciata é assim.

O fogo — que se respeite o fogo, como a água e todas as energias da natureza — nos deu a cinza que pode fertilizar uma nova história. Devemos arregaçar as mangas para, com nosso jeito único de viver com arte, criar novos enredos de superação, e um desfile inesquecível para a história do Carnaval do Rio de Janeiro.

Célia Domingues é presidente da Associação de Mulheres Empreendedoras do Brasil
e coordenadora dos projetos sociais da Cidade do Samba

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Cidade do Samba em Chamas

Nota Oficial – Prefeitura do Rio de Janeiro e Riotur

O Carnaval segue em frente


O prefeito da cidade do Rio de Janeiro Eduardo Paes assegurou que o Carnaval deste ano acontecerá como planejado, apesar do incêndio que danificou algumas das fantasias e dos carros alegóricos que estavam sendo produzidos por três das 12 escolas de samba na Cidade do Samba. Felizmente ninguém ficou ferido no incêndio.


Poucas horas depois do incidente, o prefeito se reuniu com as escolas de samba para definir como ajudar as três agremiações afetadas a finalizar seus preparativos a tempo dos desfiles de carnaval, nos dias 6 e 7 de março. Paes também está buscando R$ 3 milhões junto à iniciativa privada para doar às três escolas prejudicadas pelo incêndio. Mas, se for preciso, a própria prefeitura irá arcar com o custo. Além disso, o poder público municipal tomou medidas para que a reconstrução dos barracões atingidos pelo fogo na Cidade do Samba comece imediatamente.

Como parte de um programa de uma semana de eventos, que incluí o carnaval de rua, os bailes de carnaval e festas em toda a cidade, o desfile oficial de carnaval – que acontece no domingo e na segunda-feira – reúne 12 escolas de samba para competir desfilando suas alegorias no Sambódromo.

Essas escolas de samba usam os barracões da Cidade do Samba para montar seus carros alegóricos e criar suas fantasias para um dos maiores espetáculos da terra. Em um incidente, três escolas sofreram danos causados pelo incêndio no dia 7 de fevereiro. Para poder recuperar o que foi perdido e concluir sua preparação, as três agremiações foram realocadas para outros espaços na própria Cidade do Samba ou imediações. Como demonstração de apoio, cada uma das 9 escolas que não foram afetadas vai oferecer assistência e material para assegurar que todas as 12 agremiações possam competir nos desfiles.

A Riotur, Empresa de Turismo do Município do Rio de Janeiro, acredita que a cidade terá uma festa ainda mais especial em 2011 com a população toda se unindo para apoiar essas três escolas de samba tão tradicionais, e garante que o Carnaval não será afetado de maneira alguma pelo incidente.

André Babilônia
Assessor de Comunicação Social Riotur