A Organização Cultural Remanescentes de Tia Ciata (ORTC), fundada em 2007 por descendentes de Hilária Batista de Almeida (1854-1924), tem como missão a promoção da cultura e a conservação do patrimônio histórico e artístico, através de atividades culturais, direcionadas à educação, saúde, defesa da mulher, desporto e meio ambiente. Sua presidente Gracy Mary Moreira, bisneta de Tia Ciata, representa quatro gerações inseridas de corpo e alma no florescimento da cultura afro-fluminense.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Lançamento do Livro Samba de Sambar do Estácio


Publicação é acompanhada de DVD multimídia com mapa interativo do Rio de Janeiro nos anos 1930, 100 músicas, depoimentos e fotos históricas


O Instituto Moreira Salles lança em 9 de novembro, às 20h, o livro Samba de sambar do Estácio – 1928 a 1931, escrito pelo pesquisador musical Humberto M. Franceschi, que revela o surgimento do samba batucado no final da década de 1920, no bairro do Estácio, no Rio de Janeiro. O lançamento será no IMS-RJ (rua Marquês de São Vicente, 476 – Gávea), com bate-papo aberto ao público entre Humberto M. Franceschi e José Ramos Tinhorão, jornalista e autor do prefácio do livro.




Samba de sambar do Estácio – 1928 a 1931 é resultado de 20 anos de pesquisa de Humberto M. Franceschi sobre um período essencial da história da música popular brasileira, mas pouco estudado até agora. Franceschi descreve o momento em que o samba se transformou nas mãos de Ismael Silva, Brancura, Bide, Nilton Bastos, Getúlio Marinho, Heitor dos Prazeres, entre muito outros que compuseram sambas com identidade própria, diferentes dos sambas-maxixes populares na época.

No livro, o leitor poderá conhecer os personagens e as histórias que percorreram o largo do Estácio na época e que definiram, segundo Franceschi, a relação do samba com o candomblé, o futebol e a prostituição. É a partir de depoimentos dos remanescentes do Deixa Falar, bloco que deu origem ao “samba da sambar”, na definição de Ismael Silva, que são narradas histórias como a da baiana Tia Ciata, avó do compositor e instrumentista Bucy Moreira, que, com um pó de ervas, teria curado a perna do então presidente Wenceslau Braz; ou sobre o time de futebol do Estácio, o Império, que tinha em sua sede a maior gafieira da cidade.

O livro vem acompanhado de um DVD multimídia, que reúne as 100 músicas (como “Mulher de malandro”, de Heitor dos Prazeres, e “Homenagem”, de Carlos Cachaça com Cartola), as 54 imagens (entre fotografias e gravuras) e os 21 depoimentos (como os de Athanazia e Bucy Moreira) citados na publicação. O DVD também possui um mapa do Rio de Janeiro datado de 1935. O roteiro proposto no mapa, enriquecido por fotografias, sugere um passeio do largo de São Domingos ao Estácio de Sá, cruzando o Campo de Santana, a praça Onze e a zona do Mangue. O DVD foi produzido e organizado por Humberto M. Franceschi, o produtor Carlos Didier e a equipe IMS/MBA/AUDIOLUME.

Sobre Humberto M. Franceschi:

Pesquisador musical e fotógrafo, Humberto Moraes Franceschi nasceu em 1930, em uma família que sempre esteve envolvida com a música brasileira. Tendo convivido com grandes nomes da música popular, como Ismael Silva, Cartola, Orestes Barbosa e Nelson Cavaquinho, Franceschi reuniu um dos maiores acervos com as primeiras gravações do samba carioca, hoje parcialmente disponível no site do Instituto Moreira Salles. Entre os discos e livros em que resgata importantes momentos da cultura brasileira, destacam-se Registros sonoros por meios mecânicos no Brasil (Studio HMF, 1984) e A Casa Edison e seu tempo (Sarapuí, 2002), que recuperam os registros da Casa Edison, gravadora pioneira no Brasil.


Lançamento Samba de sambar do Estácio – 1928 a 1931

9 de novembro de 2010 (terça-feira), às 20h


Mesa-redonda com Humberto M. Franceschi e José Ramos Tinhorão

Entrada gratuita

Lugares limitados

Nenhum comentário:

Postar um comentário